Corruption and Violence at São Paulo's Penitenciary Prison

  • Marisol de Paula Reis Universidade Federal do Acre
Keywords: Prison, Corruption, Violence

Abstract

The present work has as object of study the Penitentiary Security ex-Agent (ex-ASP) who is in prison regime by the crime of passive corruption (Article 317 - Brazilian Penal Code). The study answered the following questions: 1) What do staffs and ex-staffs think on the practice of corruption exercised between institutional staffs and some prisoners inside the Sao Paulo's Prisons? 2) What are the representations for the conduct of the ASP's? 3) How do these representations explain the inclusion of some staffs in illegal activity by way of corruption? What is the relationship between corruption and violence? This is a qualitative research with questionnaires and interviews script sticking to the viewpoint of those involved in acts of corruption (the ex-ASP's) and the speeches of the staffs in the exercises of function. The social representations was used as theoretical and methodological axes to present the explanatory elements (material and symbolic) that guide the conduct of this professional category about the corruption and the relationship of this practice with the intramural violence. Authors such as Pierre Bourdieu, Michel Wieviorka, Alves-Mazzoti, Denise Jodelet and Campos Coelho contributed to the discussion proposed.

Author Biography

Marisol de Paula Reis, Universidade Federal do Acre

Doutora em Sociologia, Universidade de Brasília.

Professora do Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Acre.

References

Alves–Mazzotti, A. J. (1994). Em Aberto. Brasília: UnB.

Bandeira, L. (2006). Perfis Profissionais dos Agentes Penitenciários do Distrito Federal e Goiás. Relatório Final. Secretaria Nacional de Segurança Pública. [versão eletrônica]

Bodê de Moraes, P. R. (2005). Punição, encarceramento e construção de identidade profissional entre agentes penitenciários. São Paulo: IBCCRIM.

Bourdieu, P. (1983). Questões de Sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero.

— (1989). O Poder Simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand.

Campos Coelho, E. (2005). A Oficina do Diabo e outros estudos sobre criminalidade. Rio de Janeiro: Record.

Cano, I.; Alvadia, A. (2006). Análise dos impactos dos ataques do PCC em São Paulo em maio de 2006. Conectas. [versão eletrônica]

Castro e Silva, A. M. (2008). Nos Braços da Lei: o uso da violência negociada no interior das prisões. Rio de Janeiro: E+A.

Código Penal Brasileiro (1984). Decreto nº. 2.848 de 7 de dezembro de 1940, atualizado pela Lei n.º 6.898, de 30 de março de 1981. São Paulo: Saraiva.

Coyle, A. (2002). Administração Penitenciária: Uma Abordagem de Direitos Humanos. Manual para os servidores penitenciários. São Paulo: ICPS.

Dias, C. C. N. (2011). Da pulverização ao (quase) monopólio da violência física: expansão e consolidação da dominação do PCC no sistema carcerário paulista. (Tese de doutorado). Departamento de Sociologia, USP.

Durkheim, Ê. (1974). As Regras do Método Sociológico. São Paulo: Nacional.

Farr, R. M. (1998). Representações Sociais: a teoria e sua história. Textos em Representações Sociais. Petrópolis: Vozes.

Goffman, E. (1961). Manicômios, Prisões e Conventos. São Paulo: Perspectiva.

Jodelet, D. (2001). Representações sociais: um domínio em expansão. JODELET, D. Representações sociais. Rio de Janeiro: Eduerj.

Jovchelovitch, S., Guareschi, P. (1998). Textos em representações Sociais.Petrópolis: Vozes.

Lourenço, A. da S. (2010). O Espaço de Vida do Agente de Segurança Penitenciária no Cárcere: entre gaiolas, ratoeiras e aquários. Tese de doutorado. Departamento de Psicologia, USP.

Miceli, S. (2005). A força do sentido. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva.

Moscovici, S. (1998). Prefácio. Guareschi, P.; Jovchelovitch, S. -Textos em Representações Sociais. Petrópolis: Vozes.

— (2003). Representações sociais: investigações em psicologia social. S. F. Neiva. O fenômeno das representações sociais. Petrópolis: Vozes.

Porto, M. S. G. (1999). A Violência Urbana e suas representações sociais: o caso do Distrito Federal. São Paulo: Perspectiva, vol. 13, n.º 4, out./dez, pp. 130-135.

— (2001). Da Violência e suas Representações como Respostas Possíveis à Impunidade. Revista do Centro de Estudos Judiciários, 15 (4), pp. 35-40.

Reis, M. de P. (2001). De Volta ao Exílio: as representações sociais da reincidência penitenciária. Brasília (Dissertação de Mestrado). Universidade de Brasília.

Sá, C. P. (1998). A Construção do Objeto de Pesquisa em Representações Sociais. Rio de Janeiro: Eduerj.

Santo-Sé, J. T. de L. (2008). Apresentação. Castro e Silva, A. M.. Nos Braços da Lei: o uso da violência negociada no interior das prisões. Rio de Janeiro: E+A.

Tosta, T. L. D (1997). A Representação Social do Excluído em Brasília. Textos Graduados, 4/5(3), pp. 10-24.

Varella, D. (1999). Estação Carandiru. São Paulo: Companhia das Letras.

Wagner, W. (1998). Descrição, explicação e método na pesquisa em Representações Sociais. Jovchelovitch, S., Guareschi, P. Textos em Representações Sociais. Petrópolis: Vozes.

Wieviorka, M. (1997). O novo paradigma da violência. Tempo Social. Revista de Sociologia USP, pp. 5 41.

—. (2006). Em que mundo viveremos? São Paulo: Perspectiva.

Published
2016-03-30
How to Cite
Reis, M. de P. (2016). Corruption and Violence at São Paulo’s Penitenciary Prison. SOCIAL Review. International Social Sciences Review / Revista Internacional De Ciencias Sociales, 5(1), 207-220. https://doi.org/10.37467/gka-revsocial.v5.378
Section
Articles