Partido dos trabalhadores, um partido trabalhista conservador?

Resumen

A hipótese que se pretende verificar é se existe no PT uma assimilação dessa institucionaldiade que antes criticava, mas que agora a ela se concilia, isto é, se há no Partido dos Trabalhadores uma transformação com tal mudança ambiental. (Couto, 1995)  “uma mudança que pode contribuir para que o partido passe de um poscionamento contestador de ordenamento institucional representativo do Estado para outra” (p.23).

 

Biografía del autor/a

Marcelo Maurício Morais, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUCSP)
Possui graduação em Ciências Sociais pelo Centro Universitário Assunção (2009). PósGraduado em História, Sociedade e Cultura pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), Pós-Graduando em Ciência Política pela Escola de Sociologia e Política de São Paulo (FESPSP- trancado), Mestre em Ciências Sociais (PUC-SP), Doutorando em Ciências Sociais (PUC-SP). Foi coordenador Pedagógico e Professor de política social I, Introdução à Sociologia, Sociologia Contemporânea e Economia Política do Curso de Serviço Social, Professor de Sociologia das organizações em Secretariado e Ética e responsabilidade Social no Curso de Administração, Professor responsável pelas pastas de Antropologia Jurídica, Ciência Política e Sociologia Geral e Jurídica no curso de Direito do Grupo Educacional Uniesp, Unidade Centro Velho São Paulo de 2011 à 2014. Secretário Estadual de Formação Política e Social do Partido Trabalhista Nacional, tem experiência na área de Sociologia, com ênfase em Ciência Política. Professor dos Cursos de Gestor de Projeto Social e Educador Social no SENAC-SP como prestador de serviço. Atualmente presta consultoria política a partidos, candidatos e empresas. Leciona nos cursos de Agente Cultural e Agente de Desenvolvimento Socioambiental da Obra Social Dom Bosco

Citas

ABRANCHES, Sérgio. Presidencialismo de Coalizão: O Dilema Institucional Brasileiro. DADOS, vol. 31, n. 1, Iuperj, Rio de Janeiro, 1988.

AMARAL, Oswaldo M. E. Do. As mudanças no PT: um estudo dos programas de Governo de 1989 e 1998. São Paulo, 2002. 132 p. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais - PEPG em Ciências Sociais, PUC-SP, 2002.

AVRITEZ, Leonardo. Sociedade civil: instituições participativas e representação: da autorização à legitimidade de ação. Dados – Revista de Ciências Sociais, Rio de Janeiro, v. 50, n. 3, p. 443-467, 2007.

AZEVEDO, Clóvis Bueno. A estrela partida ao meio. São Paulo. Entrelinhas. 1995.

BOITO JUNIOR, A. Burguesia e neoliberalismo no Brasil. PUCviva Revista, São Paulo, v. 1, n.5, p. 3-5, 2003.

____. A hegemonia neoliberal no governo Lula. Crítica Marxista (São Paulo), Rio de Janeiro, v. 17, p. 9-35, 2003.

____. A burguesia no Governo Lula. Crítica Marxista (São Paulo), Rio de Janeiro, v. 21, p. 52-77, 2005.

____, O Lulismo é um tipo de bonapartismo? Uma crítica as teses de André Singer. Miolo_Rev_. Critica_Marxista-37. 2013.

____. As bases políticas do neodesenvolvimentismo. PIMSA, v. 15, p. 209-227, 2014.

CAMPELLO DE SOUZA, Maria do Carmo. Estado e Partidos Políticos no Brasil. São Paulo: Alfa-Ômega. 1978.

CHAUÍ, Marilena. Leituras da crise: Diálogos sobre o PT, a democracia brasileira e o socialismo. São Paulo, Ed. Fundação Perseu Abramo, 2006.

COUTO, Claudio Gonçalves; ABRUCIO, Fernando Luiz. A Dialética da Mudança: O PT se confronta com a institucionalidade”. São Paulo. Cedec, mimeo. 1992.

_____. O desafio de ser governo: O PT na prefeitura de São Paulo (1989-1992). Rio de Janeiro. Paz e Terra. 1995. (Couto, 1995)

DUVERGER, Maurice. Os Partidos Políticos. Rio de Janeiro: Zahar. 1970.

FAORO, Raymundo. Os Donos do Poder. Porto Alegre. Editora Globo, 1958.

FURTADO, Celso. A Formação Econômica do Brasil. São Paulo. Nacional. 1967.

GENRO, Luciana & ROBAINA, Roberto. A Falência do PT e Atualidade da Luta Socialista. Porto Alegre: L&. PM. 2006.

IANNI, Octávio. Política e Revolução no Brasil, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1965.

KICHHEIMER, Otto. "the transformation of the western european party systems", in lapalombara, joseph & weiner, myron (orgs.). political parties and political development. princeton: new jersey: princeton university press. 1966.

KECK, Margaret E. “O novo sindicalismo” na transição brasileira”. In STEPAN, Alfred, Democratizando o Brasil. Rio de Janeiro. Paz e Terra. 1988.

____, Margaret E. A Lógica da diferença: o Partido dos Trabalhadores na construção da democracia brasileira. São Paulo. Ática. 1991.

LAZZARINI, Sérgio. Capitalismo de Laços. Os donos do Brasil e Suas Conexões. 2ed. – São Paulo: BEI Comunicação, 2018.

MENEGUELLO, Rachel. PT: A Formação de um Partido, 1979-1982. Rio de Janeiro:Paz e Terra, 1989.

_____. Partidos e Governo no Brasil Contemporâneo (1985-1997). São Paulo: Paz e Terra, 1998.

PANEBIANCO, Angelo. Modelos de Partido. São Paulo: Martins Fontes. 2005.

PRZEWORSKI, A. Capitalismo e social-democracia. São Paulo: Companhia das Letras. 1995.

SINGER, André. Raízes Sociais e Ideológicas do Lulismo. In Revista Novos Estudos n° 85. CEBRAP. 2009.

Publicado
2020-05-15
Cómo citar
Morais, M. M. (2020). Partido dos trabalhadores, um partido trabalhista conservador?. Revista Internacional De Ciencias Sociales, 9(1), pp. 41-55. https://doi.org/10.37467/gka-revsocial.v9.2336
Sección
Artículos