Perception of Physician's about The Medical-Patient Relationship in the Context of Neonatology

Authors

DOI:

https://doi.org/10.37467/gka-revmedica.v9.2561

Keywords:

doctor-patient relationship, neonatologist, communication

Abstract

Introduction: Contemporary medical practice prioritizes the disease at the expense of the complexity of the health-disease process. In newborn care, this is no different, however, the subjects' vulnerability demands a comprehensive, individualized and relational care practice. Objective: to know how neonatologists perceive / characterize the doctor-patient relationship in the context of newborn health. 

Author Biographies

Mônica Ramos Daltro, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública (EBMSP)

Psicóloga, Doutora em Medicina e Saúde Humana. Docente do Programa de Pós-graduação em Medicina e Saúde Humana da EBMSP

Taylla dos Santos Oliverio, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Graduanda em Medicina da Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública. Atualmente faço parte do grupo de pesquisa de psicologia e diversidade e saúde. Bolsista do PET saúde e diretora de ensino da Liga de Neonatologia da Bahia 

Pedro Guerra Júnior, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Possui graduação em Medicina pela Universidade Federal de Sergipe(2002). Atualmente é Médico Pediatra da Hospital Universitário de Lagarto. Tem experiência na área de Medicina, com ênfase em Pediatria. Mestrando do Programa de Pós graduação em Medicina e Saúde pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública 

Patricia Cerqueira Lima Alves, Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública

Médica  gastroenterologista e hepatologista pediátrica pelo Hospital Universitário Professor Edgar Santos (2014-2016). Pós graduação em Cuidados Paliativos pelo Hospital Sirio Libanês (2018). Mestranda do Programa de Pós graduação em Medicina e Saúde pela Escola Bahiana de Medicina e Saúde Pública 

References

Cossi, Rafael Kalaf. (2010). Transexualismo e psicanálise: considerações para além da gramática fálica normativa. São Paulo: A Peste, 2(1), 199-223.
Lansky, Sônia, Friche, Amélia Augusta de Lima, Silva, Antônio Augusto Moura da, Campos, Deise, Bittencourt, Sonia Duarte de Azevedo, Carvalho, Márcia Lazaro de, Frias, Paulo Germano de, Cavalcante, Rejane Silva, & Cunha, Antonio José Ledo Alves da. (2014). Pesquisa Nascer no Brasil: perfil da mortalidade neonatal e avaliação da assistência à gestante e ao recém-nascido. Cadernos de Saúde Pública, 30(Supl. 1).
Scochi, Carmen Gracinda Silvan, Kokuday, Maria de Lourdes do Patrocínio, Riul, Maria José Sartori, Rossanez, Léa Silvia Sian, Fonseca, Luciana Mara Monti, & Leite, Adriana Moraes. (2003). Incentivando o vínculo mãe-filho em situação de prematuridade: as intervenções de enfermagem no Hospital das Clínicas de Ribeirão Preto. Revista Latino-Americana de Enfermagem, 11(4), 539-543.
Venancio, Sonia Isoyama, & Almeida, Honorina de. (2004). Método Mãe Canguru: aplicação no Brasil, evidências científicas e impacto sobre o aleitamento materno. Jornal de Pediatria, 80 (5), 173-180.
Dittz Duarte E, de Sena RR, da Silva Dittz E, Silva Tavares T, Coelho Lopes AF, Morais Silva P. (2012). The Role of the Family in Care Delivery To Hospitalized Newborns: Possibilities and Challenges Towards Comprehensive Care. Texto Context Enferm. 21(4), 870-878.
Costa, Roberta, & Padilha, Maria Itayra. (2011). A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal possibilitando novas práticas no cuidado ao recém-nascido. Revista Gaúcha de Enfermagem, 32(2), 248-255.
Costa, Roberta, & Monticelli, Marisa. (2005). Método Mãe-Canguru. Acta Paulista de Enfermagem, 18(4), 427-432.
Ferreira A, Inácio L, Capovilla C, Prestello GD, Maria L. (2008). O profissional de enfermagem frente à morte do recém-nascido em UTI neonatal. Rev do Inst Ciências da Saúde. 26(3), 289–93.
Duarte ED. (2007). O cuidado ao recém-nascido na perspectiva da integralidade: saberes e práticas no cotidiano da unidade de terapia intensiva neonatal. Tese (doutorado), Área de concentração: Saúde da Criança e do Adolescente. Universidade Federal de Minas Gerais, Faculdade de Medicina. Minas Gerais, Brasil.
Battikha, Ethel Cukierkorn, Carvalho, Maria Teresa de M., & Kopelman, Benjamin Israel. (2014). The training of neonatologists and the paradigms implied in their relationship with the parents of babies in the Neonatal Intensive Care Unit. Revista Paulista de Pediatria, 32(1), 11-16.
Haward MF, Gaucher N, Payot A, Robson K, Janvier A. (2017). Personalized Decision Making: Practical Recommendations for Antenatal Counseling for Fragile Neonates. Clin Perinatol. 44(2), 429–45.
Lago, Kennyston, & Codo, Wanderley. (2013). Fadiga por compaixão: evidências de validade fatorial e consistência interna do ProQol-BR. Estudos de Psicologia (Natal), 18(2), 213-221.
Bittencourt, Sonia Duarte de Azevedo, Reis, Lenice Gnocchi da Costa, Ramos, Márcia Melo, Rattner, Daphne, Rodrigues, Patrícia Lima, Neves, Dilma Costa Oliveira, Arantes, Sandra Lúcia, & Leal, Maria do Carmo. (2014). Estrutura das maternidades: aspectos relevantes para a qualidade da atenção ao parto e nascimento. Cadernos de Saúde Pública, 30(1).
Barlem ELD, Freitas BH de, Barlem JGT, Ramos AM, de Oliveira ACC, Piexak DR. (2014). Comunicação de notícias difíceis em uma unidade de tratamento intensivo neonatal. Rev enferm UFPE. Recife, 8(7), 1853-9.
Silva, Cristina Liane. (2010). Neonatologia e terminalidade da vida : as implicações bioéticas da relação equipe de saúde-paciente-família. 18(3), 677–90.
Westphal, Flavia, Fustinoni, Suzete Maria, Pinto, Vânia Lopes, Melo, Patrícia de Souza, & Abrahão, Anelise Riedel. (2016). Associação da idade gestacional com a opção pela interrupção da gravidez de fetos com anomalias incompatíveis com a sobrevida neonatal. Einstein (São Paulo), 14(3), 311-316.
Araújo, SAN & Belém, KF. (2010). O processo de morte na unidade de terapia intensiva neonatal. 9(2).
Santos MH, Mochel EG, Rafael EV. (2010). Vivenciando a morte : experiência de profissionais de enfermagem no contexto da unidade de terapia intensiva neonatal. 11(3):9–15.
Almeida, Fabiane de Amorim, Moraes, Mariana Salim de, & Cunha, Mariana Lucas da Rocha. (2016). Cuidando do neonato que está morrendo e sua família: vivências do enfermeiro de terapia intensiva neonatal. Revista da Escola de Enfermagem da USP, 50(spe), 122-129.
Baltazar, Danielle Vargas, Gomes, Rafaela Ferreira de Souza, & Segal, Viviane Lajter. (2014). Construção de vínculo e possibilidade de luto em Unidade de Tratamento Intensivo Neonatal. Revista da SBPH, 17(1), 88-98.
Terminais C, Cuida- U De. (2013). Fim de Vida em Neonatologia : Integração dos Cuidados Paliativos. Revista Científica da Ordem dos Médicos. Acta Med Port. 26(4), 297-298.
Possati, Andrêssa Batista, Prates, Lisie Alende, Cremonese, Luiza, Scarton, Juliane, Alves, Camila Neumaier, & Ressel, Lúcia Beatriz. (2017). Humanization of childbirth: meanings and perceptions of nurses. Escola Anna Nery, 21(4).
Veloso, Felipe Camilo Santiago, Kassar, Liliana de Meira Lins, Oliveira, Michelle Jacintha Cavalcante, Lima, Telmo Henrique Barbosa de, Bueno, Nassib Bezerra, Gurgel, Ricardo Queiroz, & Kassar, Samir Buainain. (2019). Analysis of neonatal mortality risk factors in Brazil: a systematic review and meta-analysis of observational studies. Jornal de Pediatria, 95(5), 519-530.
Gaíva, MAM, Fujimori, E, Sato, APS. (2015). Mortalidade neonatal: análise das causas evitáveis. 23(2).
Sociedade Brasileira de Pediatria. (2019-2021). Novo coronavírus (COVID-19). Departamento Científico de Infectologia. Nº 14.

Published

2021-06-04

How to Cite

Daltro, M. R., dos Santos Oliverio, T., Guerra Júnior, P. ., & Cerqueira Lima Alves, P. (2021). Perception of Physician’s about The Medical-Patient Relationship in the Context of Neonatology. MEDICA REVIEW. International Medical Humanities Review, 9(1), 1–11. https://doi.org/10.37467/gka-revmedica.v9.2561

Issue

Section

Research articles