O enfrentamento às condições crônicas sob a ótica do estoicismo: lições de Sêneca e Epicteto / Coping with Chronic Conditions from the Perspective of Stoicism: Lessons from Seneca and Epictetus

  • Gerson Luis Schwab Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Simone Tetu Moysés Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Beatriz Helena Sottile França Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Renata Iani Werneck Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
  • Samuel Jorge Moysés Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)

Resumen

ABSTRACT

This research has a theoretical approach based on the stoic principle that happiness and self-fulfillment are natural consequences of right attitudes. It is possible to change the will to suit the world and live sick and happy, in peril and yet happy, stating an individual desire completely autonomous and deterministic. This presupposes not an apathetic fatalism, but a moral resistance to better face the hardships of life. When faced with setbacks of destiny a stoic believes in an extreme personal freedom to ally with this almost absolute determinism. These are congruent principles to health care models for strengthening and supporting people in chronic conditions. A literature review of three important works of the Stoic School (Encheiridion and The Discourses, by Epictetus, and Moral Letters to Lucilius, by Seneca) was performed. The search words "health, disease, choice, discipline," with its English correspondents, were utilized for the selection of texts, interpreted by discourse analysis. It was sought a contribution to Public Health towards the management of chronic conditions, the silent epidemic of XXI century. As results some principles are presented converging to notions of selfcare and shared care for chronic conditions, primarily focused on the autonomy and discipline of users to manage their health. It is proposed the application of these principles to treatment planning in programs for chronic conditions, whether for ill patients or in special conditions of health, such as adolescence, disabilities, pregnancy, etc. Under this point of view these principles could be extended to health professionals because their work routine also features a chronic condition. That could benefit individuals, healthcare systems and society as a whole.

RESUMO

Esta pesquisa tem um enfoque teórico, baseada no princípio estoico de que felicidade e realização pessoal são consequências naturais de atitudes corretas. É possível alterar a vontade para se adequar ao mundo e viver doente e feliz, em perigo e ainda assim feliz, afirmando um desejo individual completamente autônomo e determinista. Isto não pressupõe um fatalismo apático, mas sim uma resistência moral para melhor enfrentar as agruras da vida. Ao deparar-se com os revezes do destino um estoico acredita em sua extrema liberdade pessoal para aliar-se a esse determinismo quase absoluto. Tais princípios são coerentes com modelos de atenção à saúde para o fortalecimento e apoio às pesso-as em condições crônicas. Foi realizada uma revisão bibliográfica de três importantes obras da Escola Estoica (En-cheiridion e The Discourses, de Epicteto, e Moral Letters to Lucilius, de Sêneca). Foram utilizadas as palavras de busca “saúde, doença, escolha, disciplina”, com suas correspondentes em inglês, para a seleção dos textos, interpreta-dos por análise do discurso. Buscou-se uma contribuição para a Saúde Coletiva, direcionada para o manejo das condi-ções crônicas, a epidemia silenciosa do século XXI. Como resultados são apresentados alguns princípios convergentes com noções de autocuidado e cuidado compartilhado, focados principalmente na autonomia e disciplina da pessoa usuária para monitorar a sua saúde. Propõe-se a aplicação desses princípios aos programas de atenção às condições crônicas, seja para portadores de doenças ou pessoas em condições especias de saúde, tais como adolescência, inca-pacidades, gravidez, etc. Sob este ponto de vista esses princípios poderiam ser estendidos aos profissionais de saúde, pois sua rotina de trabalho também caracteriza uma condição crônica. Disso poderiam beneficiar-se indivíduos, siste-mas de saúde e a sociedade como um todo.

Biografía del autor/a

Gerson Luis Schwab, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Graduação em Odontologia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG (1973-1976). Especialização em Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares pela Universidade de São Paulo, Bauru FOB-USP (1991-1993). Mestrado em Saúde Coletiva pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR (2009-2011). Doutorando em Saúde Coletiva na Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR (ingresso em 2011). Tem experi- ência na área de Odontologia, com ênfase em Ortodontia e Ortopedia Funcional dos Maxilares e em Saúde Coletiva. Desde 1989 é Coordenador Regional de Saúde Bucal, na 21a. Regional de Saúde, da Secretaria do Estado da Saúde do Paraná, em Telêmaco Borba. Foi supervisor pedagógico do Curso Técnico em Saúde Bucal desta secretaria no período 2009-2010. Atua na Estratégia Saúde da Família, Mortalidade Materna e Infantil, Avaliação e Monitoria em Saúde Pública e Enfrentamento à Violência.
Simone Tetu Moysés, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Graduação em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1983), mestrado em Odontologia Social pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (1989) e doutorado em Epidemiologia e Saúde Pública - Universidade de Londres,Inglaterra (1999). Atualmente é professora Titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná e atua como responsavel de Area do Programa de Pós-Graduação em Odontologia - Área de Concentra- ção em Saúde Coletiva (mestrado e doutorado). Coordena projetos de cooperação nacional e internacional nas áreas de promoção de saúde e desenvolvimento local. E pesquisadora na Diretoria de Atençao Primaria em Saude na Secretaria Municipal da Saude de Curitiba. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, atuando principalmente nos seguintes temas: promoção de saúde, políticas públicas saudáveis, epidemiologia, saúde da familia e saúde bucal coletiva.
Beatriz Helena Sottile França, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Possui graduação em Odontologia pela Universidade Federal do Paraná (1971), graduação em Direito pela Universidade Tuiuti do Paraná (2003), mestrado em Odontologia Legal e Deontologia pela Universidade Estadual de Campinas (1993) e doutorado em Radiologia Odontológica pela Universidade Estadual de Campinas (1998). Atualmente é professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná e professora Adjunto na Faculdade de Odontologia da UFPr. Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Odontologia Legal e Bioética, atuando principalmente nos seguintes temas: biodireito, ética na pesquisa, odontologia pericial, deontologia e responsabilidade profissional.
Renata Iani Werneck, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Possui graduação em Odontologia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2000), mestrado em Dental Public Health - University of Toronto (2004) e doutorado sanduiche em Ciências da Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná e Paris - INSERM U550 (2010). Tem experiência na área de Odontologia, com ênfase em Odontologia Social e Preventiva, atuando principalmente nos seguintes temas: cariologia, prevenção, odontopediatria, epidemiologia e genética epidemiológica. Atualmente é professora na Pontifícia Universidade Católica do Paraná nas disciplinas de Saúde Coletiva e da pós-graduação (especialização, mestrado e doutorado).
Samuel Jorge Moysés, Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR)
Doutor em Epidemiologia e Saúde Pública - Universidade de Londres, Inglaterra (1999). Atualmente é professor titular da Pontifícia Universidade Católica do Paraná, professor adjunto da Universidade Federal do Paraná, coordenador do Comitê de Ética em Pesquisa da Secretaria Municipal da Saude de Curitiba, e consultor do Ministério da Saúde do Brasil em Vigilância em Saúde Bucal. Tem experiência na área de Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia, atuando principalmente nos seguintes temas: políticas públicas saudáveis, saúde urbana, promoção da saúde, atenção primária à saúde, saúde da família e saúde bucal coletiva.

Citas

Alvarenga, AT de, Vasconcellos MdaP., Adorno RdeCF. (2011). A Contribuição das Ciências Sociais e Humanas na Pesquisa, no Ensino e na Formação em Saúde. Saúde Soc., 20 (1), 9-15.

Bloom D.E., Cafiero E.T., Jané-Llopis E., Abrahams-Gessel S., Bloom, L.R., Fathima S., Feigl A.B., Gaziano T., Mowafi M., Pandya A., Prettner K., Rosenberg L., Seligman B., Stein A., Weinstein C. (2011). The Global Economic Burden of Non-communicable Diseases. Geneva: World Economic Forum. Available at www.weforum.org/EconomicsOfNCD access on 12-15-2012.

De Salazar, L. (2011). ¿Funcionan y son efectivas las intervenciones para prevenir y controlar las enfermedades crónicas? ¿Qué dice la evaluación? Cali, Colombia: Programa Editorial, Universidad del Valle.

Dinucci A, Julien A. (2012). O Encheiridion de Epicteto. Aracaju: Viva Vox.

Epictetus. (2012). O Encheiridion. Available at http://ia601204.us.archive.org/24/items/OEcheiridionDeEpictetoEdicaoBilingue/enchbifinal26.04.12.pdf access on 07-01-2013.

— (2013). The discourses . Available at http://pensamentosnomadas.files.wordpress.com/2012/08/the-discourses.pdf access on 07-01-2013.

Gorovitz, S., MacIntyre, A. (1976). Toward a theory of medical fallibility. J Med Philos, 1 (1), 51-71. doi: 10.1093/jmp/1.1.51.

Leopardi, M.T. (2013). A filosofia no ensino como alicerce das ações dos profissionais da saúde. Disponível em http://leopardi.pro.br/news.htm access on 07-02-2013.

Marsiglia, R.M.G., Spinelli, S.P., Lopes, M.F., Silva, T.C.P. (2003). Das ciências sociais para as ciências sociais em saúde: a produção científica de pós-graduação em ciências sociais. Ciênc. Saúde coletiva , 8 (1), 275-285.

Mendes, E.V. (2011). As redes de atenção à saúde . Brasília: Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), Conselho Nacional de Secretários de Saúde (CONASS).

Minayo, M.C. de S. (1992). O desafio do conhecimento. Pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo/Rio de Janeiro: HUCITEC/ABRASCO.

Nunes, E.D. (2003). Ciências sociais em saúde: um panorama geral. Em Goldenberg, P., Marsiglia, R.M.G. e Gomes, M. H. de A. (orgs), O Clássico e o Novo: tendências, objetos e abordagens em ciências sociais e saúde . Rio de Janeiro: FIOCRUZ.

PAHO - Pan American Health Organization. (2011). Non-communicable diseases in the Americas: building a healthier future. Washington, D. C.: PAHO. Disponível em http://new.paho.org/hq/index.php?option=com_docman&task=doc_view&gid=14832&Itemid= access on 02-15-2012.

Pellegrino, E.D. (1976). Philosophy of medicine: problematic and potential. J Med Philos, 1 (1), 5-31.

Sêneca. (2013). Moral letters to Lucilius (Epistulae morales ad Lucilium). Disponível em http://en.wikisource.org/wiki/Moral_letters_to_Lucilius access on 07-01-2013.

WHO – World Health Organisation. (2011). Global status report on non-communicable diseases 2010 . Italy: WHO Library. Disponível em http://www.who.int/nmh/publications/ncd_report2010/en/ access on 06-21-2011.

— (2012). Governance for health in the 21st century . Paris. Disponível em http://www.euro.who.int/en/what-we-publish/abstracts/governance-for-health-in-the-21st-century access on 03-21-2012.

Publicado
2014-03-05
Cómo citar
Schwab, G. L., Tetu Moysés, S., Sottile França, B. H., Iani Werneck, R., & Moysés, S. J. (2014). O enfrentamento às condições crônicas sob a ótica do estoicismo: lições de Sêneca e Epicteto / Coping with Chronic Conditions from the Perspective of Stoicism: Lessons from Seneca and Epictetus. Revista Internacional De Humanidades Médicas, 3(2). Recuperado a partir de https://journals.eagora.org/revMEDICA/article/view/1173
Sección
Artículos