Tensões Representacionais e Conceituais nos Discursos dos Alunos Durante as Entrevistas Realizadas Após as Atividades Experimentais de Física

Palabras clave: Tensões nos discursos, Tensões representacionais, Tensões conceituais, Laboratório de física, Laboratório de física Ensino de física, Atividades experimentais, Isolamentosdos discursos

Resumen

Neste artigo, analisamos os tempos representativos e discursos conceituais de algumas pessoas ao realizar atividades experimentais de Física. Para uma fila de dados, usamos entrevistas conduzidas com estudantes, apos ou termo da última experiência. I aprendizes manifestaram Tensões como agora representam medidas e incertezas, unidades de medida, transformando e dar incertezas, cadastre-se ou Número de decimais casas e algarismos significativos das medidas e dar incertezas e ou a utilização de modelos teóricos OS dá Física e dá a matemática para resolver problemas você experimenta, evidenciando um isolamento entre os discursos das disciplinas especializadas e entre o discurso interno à própria Física.  

Biografía del autor/a

Luís da Silva Campos, Universidade Cruzeiro do Sul

Graduado em Licenciatura plena em Física pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) em 1996, Mestre (2010) e Doutor (2016) em Ensino de Ciências e Matemática pela Universidade Cruzeiro do Sul. Atuou como professor de Física do Ensino Médio em Escolas públicas e particulares de Minas Gerais, Bahia e São Paulo. Atua como professor de Física no curso Tecnólogo em Radiologia da Universidade Guarulhos - Grupo SER Educacional. Atuou como professor de Física Teórica e Experimental nos cursos de Licenciatura plena em Matemática, Engenharias, Química e Ciência da Computação na mesma instituição. Atualmente trabalha também como professor de Física Teórica e Experimental nos cursos de Engenharias do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT). Desenvolve pesquisa sobre o papel da Matemática na solução de problemas Experimentais de Física, sobre as diversas concepções que abordam a natureza da Matemática e da Física, como essas concepções impactam no Ensino da Física e da Matemática e as Tensões nos Discursos dos alunos durante a realização das atividades experimentais. Possui projetos pra realizar pesquisas envolvendo a experimentação no Ensino de Física com alunos do ensino Fundamental, do ensino Médio e também com Professores de Física e de Matemática. Para as pessoas interessadas, a dissertação de Mestrado está disponível para consulta, no formato PDF, na pagina do Mestrado em Ensino de Ciências e Matemática da Universidade Cruzeiro do Sul.

Mauro Sérgio Teixeira de Araújo, Universidade Cruzeiro do Sul

 

Possui Bacharelado em Física pela Universidade de São Paulo (1988) e Licenciatura em Física pela Universidade de São Paulo (1998), Mestrado em Física pela Universidade de São Paulo (1991) e Doutorado em Física pela Universidade de São Paulo (1997). Atualmente é professor Titular da Universidade Cruzeiro do Sul, onde coordena os cursos de Especialização em Matemática (presencial) e Ensino de Matemática (EAD). Leciona, orienta e realiza pesquisas no Programa de Mestrado e Doutorado em Ensino de Ciências e Matemática. Tem experiência na área de Ensino de Física, com ênfase em abordagens baseadas no enfoque CTS e CTSA, na formação para a cidadania, na interdisciplinaridade e contextualização e na utilização de metodologias de Ensino de Física destinadas aos níveis Médio, Fundamental e Superior, visando o desenvolvimento de valores e atitudes além da construção de conhecimentos. As pesquisas realizadas envolvem temas e recursos como o uso da experimentação e do laboratório didático, tópicos de Educação Ambiental e introdução de tópicos de Física Moderna e Contemporânea.

Citas

Araújo, M. S. T. and Abib, M. L. V. (2003). Atividades Experimentais no Ensino de Física: Diferentes Enfoques, Diferentes Finalidades. Revista Brasileira de Ensino de Física, 2(25), 176-194.

Barolli, E., Laburú, C. E. & Guridi, V. M. (2010). Laboratório didáctico de ciencias: caminhos de investigación. Revista Electrónica de Enseñanza de las Ciencias, 9(1), 88-110.

Bernstein, B. (1990). Class, Codes and Control, vol. IV: The Structuring of Pedagogic Discourse. London: Routledge.

Bernstein, B. (1996). A Estruturação do Discurso Pedagógico: Classe, Códigos e Controle. Petrópolis: VOZES.

Bernstein, B. (1999). Vertical and Horizontal Discourse: an essay. British Journal of Sociology Education, 20(2) 157-173.

Bernstein, B. (2000). Pedagogy, Symbolic Control and Identity: Theory, Research, Critique. Lanham: Rowman & Littlefield.

Bernstein, B. (2003). A Pedagogização do Conhecimento: estudos sobre recontextualização. Cadernos de Pesquisa, 120, 75-110.

Bogdan, R. and Biklen, S. (1994). Investigação Qualitativa em Educação: Uma Introdução à Teoria e aos Métodos. Porto: Porto Editora.

Borba, M. C. and Araújo, J. L. (2006). Construindo pesquisas coletivamente em educação matemática. In: Borba, M. C. and Araújo, J. L. (Orgs.). Pesquisa qualitativa em educação matemática. (pp. 27-47), 2a edição, Belo Horizonte, MG: Editora Autêntica.

Borges, A. T. (2002). Novos Rumos para o Laboratório Escolar de Ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 19(3), 291-313.

Campos, L. S. (2010). Articulação entre Modelagem Matemática e Experimentação: uma Proposta para a Construção de Conhecimentos em Física. (Dissertação Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, Brasil.

Campos, L. S. (2016). Tensões nos Discursos dos Alunos Durante a Realização das Atividades Experimentais no Ensino de Física. (Tese Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Ensino de Ciências e Matemática, Universidade Cruzeiro do Sul, São Paulo, Brasil.

Campos, L. S., Araújo, M. S. T. & Amaral, L. H. (2014). Levantamento de dissertações e teses envolvendo a Experimentação em Ensino de Física e o Laboratório didático de Física entre 2002 e 2011. Rev. Prod. Disc. Educ. Matem., 50-65.

Campos, L. S. and Araújo, M. S. T. (2015). Articulação do ensino de física com o ensino de matemática através da modelagem matemática e das atividades experimentais. Revista Metáfora Educacional, 19, 21-52.

Campos, L. S. and Araújo, M. S. T. (2017a) Tensões Manifestadas pelos Alunos ao Representarem as Medidas Obtidas em um Laboratório Didático. Proceedings of the Simpósio Nacional de Ensino de Física. XXII, São Carlos, SP, Brasil.

Campos, L. S. and Araújo, M. S. T. (2017b). Tensões nos Discursos dos Estudantes Durante os Experimentos de Física. Proceedings of the Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. XI, Florianópolis, SC, Brasil. Retrieved from http://www.abrapecnet.org.br/enpec/xi-enpec/anais/resumos/R0064-1.pdf

Campos, L. S. and Araújo, M. S. T. (2019a, no prelo). Tensões Representacionais nos Discursos dos Alunos Durante a Realização das Atividades Experimentais de Física. Ciência & Educação.

Campos, L. S. and Araújo, M. S. T. (2019b, no prelo). Tensões Conceituais e Procedimentais nos Discursos dos Alunos Durante as Atividades Experimentais de Física. REnCiMa.

Mainardes, J. and Stremel, S. (2010). A Teoria de Basil Bernstein e Algumas de Suas Contribuições para as Pesquisas Sobre Políticas Educacionais e Curriculares. Revista Teias, 11(22), 1-24.

Morais, A. M. (2002). Basil Bernstein at the Micro Level of the Classroom. British Journal of Sociology of Education, 23(4), 559-569.

Morais, A. M. (2006) Basil Bernstein: Sociologia para a Educação. In: A. Teodoro & C. A. Torres (Orgs.). Educação Crítica & Utopia - Perspectivas para o século XXI. (pp. 83-93), 1 edição, Lisboa: Editora Cortez.

Morais, A. M. and Neves, I. P. (2007). A Teoria de Basil Bernstein: alguns aspectos fundamentais. Práxis Educativa, 2(2), 115-130.

Moreira M. A. and Levandowski, C. A. (1983). Diferentes Abordagens ao Ensino de Laboratório. Porto Alegre: Editora da Universidade.

Oliveira, A. M. P. (2010). Modelagem Matemática e as Tensões nos Discursos dos Professores. (Tese Doutorado) – Programa de Pós-graduação em Ensino, Filosofia e História das Ciências, Universidade Federal da Bahia, Salvador BA, Brasil.

Oliveira, A. M. P. and Barbosa, J. C. (2011). Modelagem Matemática e Situações de Tensão na Prática Pedagógica dos Professores. Bolema, 24(38), 265-296.

Pires, D., Morais, A. M. & Neves, I. P. (2004). Desenvolvimento científico nos primeiros anos de escolaridade. Estudo de características sociológicas específicas da prática pedagógica. Revista de Educação, XII(2), 129-132.

Ribeiro, M. S., Feitas, D. S. & Miranda, D. E. (1997). A Problemática do Ensino de Laboratório de Física na UEFS. Revista Brasileira de Ensino de Física, 19(4), 444-447.

Santos, L. L. C. P. (2003). Bernstein e o Campo Educacional: Relevância, Influências e Incompreensões. Cadernos de Pesquisa, 120, 15-49.

Séré, m. g., Coelho, s. m. & Nunes, A. D. (2003). O Papel da Experimentação no Ensino de Física. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, 20(1), 30-42.

Silva, L. A. and Oliveira, A. M. P. (2012). A Tensão da Elaboração da Situação-Problema no Planejamento do Ambiente de Modelagem Matemática. Proceedings of the Seminário Internacional de Pesquisa em Educação Matemática (SIPEM), V, Petrópolis, Brasil. Retrieved from http://www.sbembrasil.org.br/files/v_sipem/PDFs/GT10/CC02580726527_A.pdf

Stake, R. E. (2011). Pesquisa Qualitativa Estudando Como as Coisas Funcionam. Porto Alegre: Editora Penso.

Werlang, R. B., Machado, F. O., Shihadeh, H. L. & Motta, L. F. (2012). Análise da Inserção da Teoria Sócio Interacionista em Atividades de Laboratório de Física Básica em um Curso de Geofísica. Cad. Bras. Ens. Fís., 29(2), 246-266.

Publicado
2020-01-10
Cómo citar
Campos, L. da S., & Araújo, M. S. T. de. (2020). Tensões Representacionais e Conceituais nos Discursos dos Alunos Durante as Entrevistas Realizadas Após as Atividades Experimentais de Física . EDUreview. The International Education and Learning Review / Revista Internacional De Educación Y Aprendizaje, 7(3), pp. 175-186. https://doi.org/10.37467/gka-revedu.v7.2062
Sección
Artículos